Copercampos
Associados Copercampos
Webmail
Instagram

NOTÍCIAS

Associados visualizam as tendências do mercado de grãos

17/09/2019

Os produtores associados da Copercampos de Campos Novos/SC, participaram no dia 17 de setembro, de palestra sobre as tendências do mercado para os próximos meses e vendas futuras de soja e milho, com a INTL FC Stone.

Na oportunidade, o consultor em gerenciamento de risco Leonardo Martini repassou informações sobre as condições das lavouras americanas e início de semeadura da safra de grãos brasileira.

Segundo Martini, as condições climáticas devem retardar o início do plantio da safra no Centro-oeste do Brasil, o que pode prejudicar também o plantio do milho safrinha em 2020. No sul, as condições são mais favoráveis para implantação das áreas de soja e milho.

Na cultura da soja especificamente, há uma indicação de aumento de área de 3 a 5% em relação a última safra. Quanto ao mercado, Leonardo ressaltou que o produtor deve aproveitar os momentos de volatilidade do mercado para fazer negócios, como visualizado nos últimos dias.

Para a safra 2019/2020 alguns pontos foram ressaltados pelo consultor:
- As margens de esmagamento de soja voltando a subir e indústrias elevando os preços do interior;
- Guerra comercial EUA x China ainda ditam os rumos do mercado, aguardando novas conversas que podem trazer volatilidade e sinais de reaproximação entre os países;
- A área de soja nos EUA 2019 é menor que o projetado devido aos problemas de excesso de chuvas;
- Prêmios se mantendo altos com problemas nos EUA;
- Peste suína africana deve tirar o potencial de alta da CBOT em função da queda brusca de demanda;
- Preços no interior firmes no primeiro semestre e mais altos no segundo semestre de 2019 com elevação do basis;
- 2020 rodando mais acelerado com os produtores aproveitando o cambio e CBOT elevado.

Milho - Para a cultura do cereal, o consultor Leonardo Martini lembrou que assim como para soja, os preços deveriam ser mais baixos, mas o câmbio favorece essa valorização.

Quanto a safra americana, o USDA estima que terá produção de 350 milhões de toneladas. Já a INTL FC Stone acredita que serão produzidos 330 milhões de ton. Isso pode favorecer a alta do milho.

No Brasil, os estoques são altos, com 17,5 milhões de ton., porém, isso não é sinônimo de preços mais baixos. A área de verão não deve ter alterações em relação a safra passada. As exportações de milho serão maiores do que 2018. O segundo semestre está sendo mais movimento e Leonardo acredita que os preços devem se manter.

Quanto ao dólar, a INTL FC Stone projeta que o dólar deve se manter em alta, acima de R$ 3,70.
 
 
voltar

CONTATO

FONE
49 3541 6000

ENDEREÇO
Rodovia BR 282 - Km 342 - Nº 23
Bairro Boa Vista - Caixa Postal 161
CEP 89620-000 - Campos Novos/SC

CURTA COPERCAMPOS NO FACEBOOK